Title Image

Blog

FIBROMIALGIA

A dor crônica é uma condição muito frequente em toda a população. Uma série de patologias podem causar dor crônica: artrose, doenças autoimunes, distensão muscular, hérnia de disco etc.

 

Em geral, essas doenças causam dores em determinadas regiões do corpo; como a coluna no caso da hérnia de disco ou no joelho, no caso da artrose de joelho.

 

Mas e quando o paciente chega queixando que sente dores em todo o corpo? Será que existe uma doença que pode causar dores desde o dedo do pé até o fio de cabelo?

 

Sim! Essa doença existe e pode causar um importante prejuízo à qualidade de vida dos pacientes.

 

Leia também: https://lorenandradegeriatra.com.br/os-hormonios-femininos-e-o-risco-de-infarto/

 

FIBROMIALGIA

 

A fibromialgia é uma doença caracterizada por dores musculoesqueléticas generalizadas, comumente os pacientes referem dor em diversas partes do corpo: coluna, pernas, braços, cabeça.

 

Além das dores difusas, outros sintomas são comuns nos pacientes com fibromialgia:

– Fadiga

– Distúrbios do sono

– Sintomas cognitivos: perda de memória, falta de atenção e dificuldade para se concentrar

– Sintomas somáticos: dor de cabeça, dor abdominal, tontura, dormência

 

Ao exame físico, podemos encontrar tensão muscular e alguns pontos gatilhos espalhados pelo corpo.

 

Apesar de ser uma condição relativamente frequente, a fibromialgia é pouco diagnosticada e pouco tratada.

 

Isso ocorre por alguns motivos, mas principalmente por não existir um exame para diagnosticar essa doença, o diagnostico é puramente clínico, baseado na história e no exame físico. Dessa forma, se não suspeitamos do diagnóstico, não haverá nenhum exame que vai mostrá-lo. Além disso, os sintomas podem ser facilmente confundidos com os de outras doenças, em especial as doenças reumatológicas.

 

Paciente com fibromialgia muitas vezes passam anos sofrendo com seus sintomas, frequentando diversos serviços de saúde, com várias idas ao pronto-socorro devido às dores. Muitas vezes fazendo uso abusivo de antiinflamatórios e outras medicações para dor com potenciais efeitos colaterais.

 

Por isso, é importante suspeitarmos da possibilidade de fibromialgia em todo paciente com dores difusas durando mais de 3 meses.

 

Os principais fatores de risco para fibromialgia são: sexo feminino, fatores genéticos, outras dores crônicas.

 

TRATAMENTO

 

O tratamento da fibromialgia consiste em dois pilares: tratamento não farmacológico e tratamento farmacológico.

 

O tratamento não farmacológico é de suma importância e está sempre indicado. Ele consiste em: higiene do sono, programa regular de atividade física, dieta balanceada, estilo de vida saudável, psicoterapia.

 

O tratamento farmacológico pode ser utilizado quando as medidas não farmacológicas não foram suficientes. Este consiste na utilização de medicações moduladoras da dor. Dentre elas, estão algumas classes de antidepressivos e anticonvulsivantes que são utilizadas em baixas doses.

 

Leia também: https://lorenandradegeriatra.com.br/e-normal-ter-perda-de-urina-o-que-posso-fazer-para-melhorar/

 

Referência:

  1. doi:10.7326/AITC202003030